Selecione o cadastro


Chegada dos Mega Eventos no Brasil gera oportunidades no setor hoteleiro

 

Com a já realizada Copa das Confederações e as esperadas Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil, os investimentos em infraestrutra no país têm impulsionado o crescimento do mercado de trabalho em diversas áreas, como a de hotelaria, por exemplo.

Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), as atividades relacionadas ao turismo respondem pela geração de 6% a 8% do total de empregos no mundo. De acordo com indicadores de 2010, o Ministério do Turismo estima que o número de estabelecimentos hoteleiros, entre outros tipos de alojamento temporário, vai de 22 a 26 mil no Brasil, o que totaliza 440 mil quartos disponíveis.

O fato é que nos últimos anos, a rede hoteleira no Brasil tem investido contiuamente na atualização de sua infraestrutura para atender à demanda de turistas de todo o mundo, e, com isso, o mercado de trabalho para profissionais de climatização comercial tem crescido substancialmente, principalmente com a chegada dos Mega Eventos esportivos no país.

Mesmo com o aumento da oferta de emprego, é importante que esses profissionais estejam preparados, atentos às novas tecnologias e sempre atualizados, além de não esquecerem do cuidado com as manutenções preditivas, preventivas e corretivas que ajudarão na vida útil do sistema e, consequentemente, na qualidade do ar interior.

Os modelos de ar condicionado para hotéis vão desde os sistemas menores, como os aparelho de janela, splits e VRF, aos equipamentos maiores, como os chillers. Porém, a instalação de equipamentos com tecnologia VRF (Variable Refrigerant Flow) tende a crescer bastante de agora aos próximos anos, tendo maior destaque por sua ecoeficiência de operação e preço acessível, com baixo nível de ruído e baixo consumo elétrico.

Desenvolvido para substituir o R-22 em equipamentos novos, de médias e altas temperaturas de evaporação, o fluido refrigerante mais adequado para equipamentos com tecnologia VRF é o Suva™ 410A, pois, além de não degradar a camada de ozônio, apresenta um menor consumo energético.

 

Fonte: Revista Sindratar – Edição 11